PUBLICIDADE

Coisas desaparecidas não mais retornarão?

Ignácio de Loyola Brandão é jornalista e escritor, membro da Academia Brasileira de Letras, autor de mais de 40 livros, com destaque para os premiados Zero e Não verás país nenhum.

Foto: Divulgação Editora. Foto capa: Letícia Gullo

Ignácio de Loyola Brandão

Coisas desaparecidas não mais retornarão? 

 Cedo, ninguém na rua, caminho tranquilo rumo à padaria. Boa hora, nenhum dos prédios em torno de mim aqui em Pinheiros começou o matraquear dos bate-estacas. Passo por uma senhora, cumprimento. 

 “Bom dia.” 

 Ela para, me olha, tira a máscara, fuzila. “O senhor me conhece?” 

“Não.” 

 “E por que me cumprimentou?” 

“Por delicadeza. Manhã fresca gostosa, por que não desejar bom dia?” 

 “Por quê? Por quê? Porque não sei o que virá em seguida. Respondo, o senhor puxa conversa, vai me enredar em alguma tramoia, querer meu Pix…” 

 “Calma, minha senhora! Calma, só disse bom-dia, a senhora não gostou, terminou. Até logo. E bom dia.”

Ela me fuzilou com o olhar. Fuzilar é uma palavra antiga, minha avó usava. Assim como usei acima enredar. Segui, entrei na padaria. Na CPL, tem uma foto imensa minha e um trecho poético sobre essa instituição que são as padarias em São Paulo. Os dois PMs que tomam um café ali de manhã me cumprimentaram, a Cabo Renata me bateu continência, saudei-a com um aceno festivo. Essa mulher estuda línguas, tem um grupo musical e outro de teatro dentro da corporação. Boas surpresas. Esqueço a velha impertinente, meu dia foi compensado. 

 Mais tarde, tomo um táxi. 

“Bom dia, por favor, pode me levar à Ala- meda Lorena?” 

 Endereço da Mara, minha fisioterapeuta. O motorista vira o rosto, me dá um sorriso. 

 “O que está acontecendo hoje?” “Como?” 

“O senhor é o terceiro que entra no carro, diz bom-dia e por favor.” 

“E o que há de estranho nisso?” “Trabalho na praça há 38 anos. De uns 

tempos para cá, deixei de ouvir palavras que eram normais.” 

 “Como?” 

 “Bom dia. Por favor. Por gentileza… O senhor pode me levar a… Fique com o troco… Muito obrigado. Fique com Deus. Ou vá com Deus.” 

 “Pessoas educadas, meu caro.” 

 “Antes era assim, hoje parece que a educação foi sumindo. As pessoas entram apressadas, agitadas, batem a porta com violência, celular na mão, ficam digitando, falando, falando, já de manhã estão nervosas, ansiosas, grosseiras.” 

 “O mundo está ficando assim. Todo mundo fora de si. As boas maneiras, coisas simples, foram esquecidas. Todo mundo agressivo, na ponta dos cascos, pronto a estourar.” 

 “Será que não têm medo de um ataque cardíaco?” 

 Está assim o clima. Chefes irritados, pedindo pressa. Nós nos surpreendendo a nós mesmos ao pedir pressa, vai urgente, voando aos motoboys, vá, vá, corra, entregue e volte. O mundo está acabando? Dia desses, ao entrar em um grande banco, vi um senhor empurrando a porta, pedi, segure a porta, por favor. Ele olhou para trás e, quando me aproximei, largou a porta na minha cara. Para quê? Por quê? O que a pessoa ganha com isso? Está descontando o quê? O problema é – certamente – dele. Não meu. 

 Dia desses, no Acervo, ótimo sebo aqui perto de casa, na Rua Artur de Azevedo, vi um velho Guia de boas maneiras, perguntei ao Josué, o dono: 

 “Há quanto tempo está aí?” 

 “Deixo de propósito. Há 47 anos…” Lembro-me de que eram best-sellers. O 

velho Marcelino de Carvalho tinha um que vendia sem parar. 

 Hoje, tanta coisa ficou obsoleta e parece-me que a educação, as boas maneiras, a simpatia, a gentileza, a consideração, o tratar bem o outro, o dar lugar, o ceder a vez, o pedir por favor, por gentileza, por obséquio (outro termo antigo) desapareceram, da mesma maneira que sumiram as antigas civilizações. 

 

compartilhe

Share on facebook
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on twitter
PUBLICIDADE

Você pode gostar

Sabor do bem

Maria Olívia Junqueira trabalhou como voluntária, preparando comida numa paróquia e também na Pão da Rua, que fornece pães para o padre Ju- lio Lancelotti distribuir aos moradores de rua. Na pandemia, de quarentena, ela criou um grupo nos Jardins, onde mora, propondo aos vizinhos a doação de alimentos que têm em casa e não vão usar.

continuar lendo...
PUBLICIDADE

Coisas desaparecidas não mais retornarão?

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. In ornare nisl sed leo eleifend maximus. Donec vel viverra tortor. Aenean facilisis feugiat lacus, ut sollicitudin felis finibus sit amet. Praesent eu elit tincidunt, egestas leo et, efficitur leo. Donec lectus odio, pretium at consequat in, euismod semper nulla. Proin ac lorem lacinia.

por Joe Doe

Pellentesque pulvinar nibh cursus, dignissim metus posuere, tincidunt erat. Morbi tellus dolor, ornare et ornare at, interdum non augue. Duis condimentum dapibus erat quis molestie. Proin nulla dolor, vestibulum a semper sit amet, rutrum eu nibh. Duis aliquam vel nulla sed dapibus. Mauris vel felis nisi.

Integer eu venenatis ipsum. Donec vel euismod diam. Pellentesque at suscipit purus. In ornare quis nunc non consectetur. Maecenas quis auctor diam. Aliquam volutpat, orci at hendrerit dapibus, nibh ante rutrum elit, eget cursus lectus purus in eros. Pellentesque varius suscipit odio, eu congue lectus tempus in. Morbi laoreet dignissim eleifend. Phasellus consequat pellentesque neque, at bibendum turpis maximus sed. Proin non tempus neque. Aenean eleifend ex nec nulla vulputate condimentum.

Nam dapibus massa id nibh vestibulum, at cursus tellus gravida. Nulla ac volutpat nunc. Maecenas mi augue, tristique vel dui et, fringilla ornare nisl. Integer pulvinar euismod ipsum id tristique. Ut quis libero a mi ultricies varius id sit amet magna. Nullam nec metus a justo ullamcorper tincidunt. Phasellus eu ultrices lectus, eu tincidunt ex. Ut finibus ligula diam, et porttitor eros pulvinar vitae. Vestibulum fermentum arcu in est rhoncus viverra. Vestibulum vel massa enim. Morbi fermentum tortor ac dolor hendrerit bibendum. Sed laoreet mattis augue. Ut ligula est, varius eu auctor eu, fringilla quis nibh.

Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. Cras commodo urna sed vestibulum ultrices. Donec eget erat vitae diam dapibus tristique. Etiam vel libero non felis iaculis rhoncus vel eu lacus. Proin nec metus non quam porta molestie eu gravida tellus. Sed est ex, tristique at turpis eu, posuere fermentum leo. Vestibulum magna dui, feugiat ut diam vitae, blandit aliquam sapien. Vestibulum a metus pellentesque enim laoreet tempus. Donec finibus malesuada sapien in laoreet.

Modo de fazer
Sachê de especiarias
  • 1 cravo-da-índia
  • Pimenta-do-reino preta em grão a gosto
  • 1 folha de louro seco
  • 1 ramo de tomilho fresco
  • 4 talos de salsa
Material adicional
  • 30 cm de barbanteem grão a gosto
  • 1 quadrado de étamine (tipo de tecido para coar caldos) de 15 cm por 15 cm ou um pano tipo Perfex
Monique circulando com a sericleta.
os postais que imprime com o público
Monique circulando com a sericleta.
“As atualizações no Plano Diretor são importantes por que a sociedade vai mudando e é preciso adequar a cidade a essas transformações. A participação da população nesse processo é fundamental.”
Jornal aQuadra - ed.22 - Moradores X Construtoras
Andrea Matarazzo
“O processo revisional é um diagnóstico de como o plano funcionou até aqui. Portanto, é um e sforço responsável na busca pelo equilíbrio socioambiental.”
José Police Neto
“Vivemos um momento emergencial em que é muito importante que a prefeitura e a sociedade se mobilizem para reduzir os impactos da pandemia: adaptação de escolas, geração de empregos, habitação, ampliação de ciclovias.”
Jornal aQuadra - ed.22 - Moradores X Construtoras
Fernando Túlio

“O maior legado da Lina foi o modo de fazer uma arquitetura que tenha sentido, que crie ressonância no coração das pessoas, uma arquitetura que busca conforto, em todos os sentidos da palavra.”

Marcelo Ferraz

compartilhe

Share on facebook
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on twitter
PUBLICIDADE

Você pode gostar

A Vila Ipojuca e seus arredores

A vila vem passando por constantes transformações em seu entorno que resultam numa nova visão em relação à região, em bora ainda preserve o “jeito de bairro” que agrada tanto aos moradores quanto aos visitantes.

continuar lendo...

Entrelinhas

Enquanto rasgava o papel de seda amarelado e seco que envolvia cuidadosamente seu livro Sertões, luz e trevas, na edição alemã, que recebi, pensava nas marcas

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.