PUBLICIDADE

Cada vez mais velhos

De acordo com previsões do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a população brasileira vai envelhecer de forma constante e acelerada nos próximos anos: em 2100 vai chegar a 60 milhões de idosos, superior a 40% de todos os brasileiros.

Com uma população cada vez mais velha – dos 214 milhões de brasileiros, 37,7 milhões têm mais 60 anos –, o Brasil vive o paradigma: idosos, mas cheios de energia. Muitos deles estão ativos nas redes sociais, descobrindo novos prazeres e se entregando a experiências diferentes.

Mas, quem, com cabelos branquinhos, nunca ouviu a frase “Você não tem mais idade para isso!”? Esse é apenas um exemplo do etarismo, que consiste no preconceito contra pessoas idosas.

Para combater essa onda de discriminação contra os mais velhos, a cantora Fafá de Belém se aproveitou da visibilidade do programa The Voice +60 para enaltecer, com emoção e leveza, o valor dessa turma e o respeito que merece.

Cada vez mais velhos - Fafá de Belém
Fafá de Belém

Fafá de Belém
“É muito difícil não falar sobre a capa da invisibilidade que cobre pessoas com mais de 60 anos. Com as barbaridades que a gente vê num país que não tem educação com seus velhos e que as crianças também não têm muita educação do limite, a gente tem que levantar essa bandeira e chamar a atenção das pessoas publicamente. Jovens afundam a cara no celular para não ceder o assento para os mais velhos. Isso é um desrespeito a quem tem um pouco mais de idade e é uma arrogância de quem não imagina que vai chegar lá. É preciso falar disso diariamente.

O Brasil desemprega pessoas a partir dos 50 anos e as pessoas passam a ser tratadas como trastes, como o que não interessa mais, e aí a gente tem que falar por todos nós, de mais de 60 anos. Por isso acho o programa The Voice +60 espetacular, porque quebra o preconceito que a sociedade instituiu e ensina a uma geração formatada olhando o celular uma vida fabulosa que nós tivemos e ainda podemos ter.”

Cada vez mais velhos -
José Roberto Aguilar

José Roberto Aguilar
Pintor, videomaker, performer, escultor, escritor e músico, completou 81 anos em 11 de abril dando um show de música com seus amigos da Banda Performática, em um bar na Bela Vista. Se o tempo não para, o artista multimídia também não: lançou o livro O salvador do mundo em 2021, e está preparando uma grande exposição sobre a natureza. “Pintar é fundamental para mim, faz parte da pele”, diz Aguilar. “Com a idade, precisei desaprender algumas coisas. Os conceitos são mutantes.

O que está em vigor agora, amanhã já mudou – isso é natural na arte e também na vida.” Para ele, envelhecer é uma mistura de tempos e contratempos, enfrentados com o prazer proporcionado pelos afazeres artísticos. “Uma das coisas mais interessantes ao fazer 80 anos foi descobrir que a disposição física diminui e o importante é aceitar isso.”

Silvana Tinelli
“Continuo com a mesma vontade de aprender, de criar, sonhar. Não sinto ter 80, a idade não me limita. Continuo fazendo planos e vivendo intensamente.”

Cada vez mais velhos - Costanza Pascolato
Costanza Pascolato

Costanza Pascolato
“Enquanto eu tiver saúde, não tenho intenção de parar de trabalhar. Estou lançando em maio a coleção Anima by Costanza Pascolato para a GOeyewear, que é a maior distribuidora de óculos do Brasil. E pretendo atuar na Santa Constância até quando for possível.”

Velhice no Instagram

Amigas há 50 anos, Gilda Bandeira, 80 anos, Helena Wiechmann, 93, e Sonia Bonetti, 84 – as Avós da Razão –, lutam contra ideias preconcebidas sobre envelhecer com bom humor e irreverência.
@avosdarazao

Há quase 30 anos juntos, Ana Morais e Nelson Bressan cozinham e falam sobre relacionamento no divertido Ter a Pia de um Casal.
@terapiadeumcasal

A cinquentona Claudia Arruga divide seu radar na maturidade.
@cool50s

A escritora Cris Guerra faz sua leitura do mundo.
@eucrisguerra

A coroa Adri Coelho Silva fala para mulheres que encaram a maturidade sem disfarces.
@vivaacoroa

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Helena Montanarini, publisher Jornal aQuadra

Um novo tempo, apesar dos perigos

Vivemos um começo de ciclo – o ano novo chinês, do Tigre, e o ano novo astrológico, quando o Sol ingressa em Áries. “Ciclo” é uma palavra com origem no termo grego kýklos, que significa renovação de forma constante.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.