PUBLICIDADE

A história dos donos da banca

fotos: Paulo Giandalia; divulgação

Em tempos da era digital, do online, bancas de jornal são um sinal de resistência tal como flores no deserto. A figura do jornaleiro que vendia figurinhas para os famosos álbuns de colecionadores ainda está na memória de muitos meninos e meninas.

Lutando para vencer a concorrência – padarias, lojas de conveniência e mercadinhos, responsáveis por abocanhar parte das vendas de periódicos e revistas – as bancas foram e continuam sendo um verdadeiro polo de informação, além de ser um Comércio democrático.

jornal aQuadra - gente- Jardins

Aos 90 anos, Sinézio Batista Pereira, morador do Jardim Paulista há 69, viu essa e muitas outras mudanças acontecerem. “Antes de comprar a banca, trabalhei na Mercearia Groenlândia e na padaria Regência. Tive quatro bancas aqui no bairro”, conta.

Proprietário da Jardim Paulistano há mais de 40 anos, localizada na esquina da Sampaio Vidal com a Joaquim Antunes, o senhor pai de cinco, avô de quatro e bisavô de um ainda hoje fica na banca para ajudar o filho. “Como ele mora perto, fica aqui para mim quando preciso sair, tomar um café”, diz Fernando Augusto Pereira. “Todo mundo nos conhece. A confiança é tamanha que muitos deixam chave de casa, de carro, cartão de banco. Parece até cidade de interior”, conta.

Na esquina da Sampaio Vidal com a Maria Carolina, um especialista em elétrica é dono da Sampaio Vidal há 15 anos. “A oportunidade de comprar a banca apareceu em um momento difícil; estava desempregado com mulher grávida”, diz. “Com a banca, aprendi a lidar melhor com o ser humano, a ser mais político. E, com isso, consigo também continuar o meu trabalho em elétrica”, que confessa, contando que além da banca, faz serviços em casas do bairro.

Estudante do curso de história na USP, Denis Nascimento Fagundes, reveza com a mãe o trabalho na Juquiá, localizada na esquina da Alameda Gabriel Monteiro da Silva com a Juquiá, pertencente à família há pouco mais de três anos. Para ele, o que ainda faz com que as bancas sobrevivam é a venda de outros itens como bebidas, doces etc. “Isso, que é relativamente recente, foi essencial para que conseguíssemos manter o negócio. Esperamos que a nova gestão da prefeitura também autorize a veiculação de propagandas. É algo que também nos ajudaria muito”, diz o estudante, que questiona o fato de pontos de ônibus, por exemplo, possuírem essa permissão.

jornal aQuadra - gente - Jardins

Senhora de seu destino

“Vim para o bairro com 11 anos. Sou do tempo em que havia chácaras na Teodoro Sampaio e vi muitas transformações. Sempre gostei muito daqui. Morei na rua Girassol e mais tarde vim para a Francisco Leitão. No começo, fiquei meio assim, sabe, de morar em frente ao cemitério. Mas, depois isso passou. A vizinhança é tranquila”, recorda Joana Jardim. Com cabelos de algodão arrumados, brincos, colar, unhas feitas e roupa alinhada, Dona Joana, como é conhecida na Rua Francisco Leitão, dedicou a vida ao exercício da arte – piano, acordeão, balé, canto, teatro… E quando lhe diziam que era hora de parar de trabalhar, ela ficava se perguntando: “O que é que eu vou fazer agora?”. Foi quando decidiu se tornar atriz de comercial. Aos 87 anos, há dez na profissão, a senhora avó de três e bisavó de seis já foi garota-propaganda de marcas como Nestlé, Sadia, Yakult e Kaiser, entre muitas outras. “Não sou o tipo de mulher que se deixa levar pela vida, sabe? Eu é que levo”, diz.

PUBLICIDADE

Últimas Notícias

Editorial aQuadra ed #20

Iniciamos 2021 otimistas!

Será um ano de recomeços, com muita esperança no que está por vir. Não devemos esquecer aquele que passou, pois ele foi muito importante para nós.

Voz aos que são chamados de outros

PUBLICIDADE “O preconceito acaba quando a compreensão começa.” É com esse lema que a ONG Estou Refugiado trabalha para que pessoas que se encontram na

jornal aQuadra - gente - Jardins

A história dos donos da banca

PUBLICIDADE fotos: Paulo Giandalia; divulgação Em tempos da era digital, do online, bancas de jornal são um sinal de resistência tal como flores no deserto.