PUBLICIDADE

Amazone-se!

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora

por Helena Montanarini

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora

Desde que aceitei o convite para navegar pelos rios Negro e Solimões, fiquei bastante curiosa porque iria retornar para esta região que visitei pela primeira vez nos anos 70 e, depois, nos anos 80. Mergulhei no assunto, conversei com amigos que lá estiveram, pesquisei em livros e na internet. Ao fim da viagem, me dei conta de que nada é mais precioso do que a experiência de viver, ao vivo e em cores, esta imensidão forte e poderosa que é a Amazônia.

Fiz um cruzeiro de 12 dias, saindo de Manaus, a bordo do La Jangada, um catamarã privativo com 12 cabines, no estilo chic cool concebido pelo francês Bernard Ramus, há décadas apaixonado pelo Brasil, um explorador a serviço da preservação dos rios e dos povos da água.

Com um grupo simpático de turistas franceses, navegamos pelo rio Negro, o maior afluente do rio Amazonas, em ritmo lento e silencioso que nos conecta com a floresta, a água, as tribos indígenas e os habitantes locais, os ribeirinhos. Durante 8 dias, nada de rede social, o que fez a diferença.

No inverno, as águas dos rios ficam mais altas, o que favorece as expedições em barcos a motor pelas esplendorosas ilhas do arquipélago Anavilhanas, no rio Negro.

Nadar ao lado de botos rosas, pescar piranhas, visitar os crocodilos à noite, identificar os ruídos dos bichos e sentir o perfume da floresta, visitar tribos indígenas, fazer trilha em plena selva, conhecer cidades flutuantes, grutas arqueológicas em Mamada, museu da borracha, artesanato local em Novo Airão e o estilo de vida das cidades ribeiras de Manaquiri, Careiro e Acajatuba fizeram parte das inúmeras vivências que essa viagem proporciona. Sem falar da gastronomia a bordo, sob comando da cozinheira Dila, que nos apresentou delícias da cozinha regional e vegetariana com maestria

Aprendi que o horizonte é muito mais amplo do que meus olhos podem enxergar. Essa viagem superou todas as minhas expectativas. Voltei apaixonada.

La Jangada – cruzeiros na Amazônia
www.latitudes.com.br
www.grands-espaces.com

O que você não pode deixar de ver e viver em Manaus

Dois dias na capital do Amazonas não foram suficientes para descobrir os encantos arquitetônicos e culturais que a cidade exibe timidamente. Ainda sobraram alguns casarões importantes que fazem parte da história.

É muito triste constatar que a maioria dos casarões e palácios foi destruída por falta de uma política de tombamento que preservasse o patrimônio da cidade.

Afinal, Manaus foi uma das cidades mais prósperas do mundo durante o Ciclo da Borracha, entre 1879 e 1945, quando viveu o boom econômico. Porta de entrada da Amazônia é o melhor ponto de partida para desbravar rios, florestas e tesouros.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora

Teatro Amazonas – @teatroamazonasof

Inaugurado em 1896 por iniciativa dos barões do ciclo de ouro da borracha, é um símbolo da riqueza daquele período e um dos mais bonitos do mundo.
Tive o privilégio de assistir ópera durante o Amazonas Opera Festival.

MUSA – @museudaamazonia_musa

Um jardim botânico com 100 hectares dentro de uma reserva florestal. Tem torre de 42 metros para admirar o parque e trilhas para conhecer a fauna e a flora locais.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
GaleriAmazonica

GaleriAmazônica – galeriamazonica.org.br
Rua Costa Azevedo, 272 – Centro (em frente ao teatro)

Comercializa peças de importantes etnias, como Tikuna, Tukano, Waimiri Atroari, Yanomami, etc., além de exposições e projetos socioambientais. A loja tem uma seleção apurada de cestarias, cerâmicas, esculturas e pinturas.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
Caxiri

Caxiri – @caxiri_amazonia
Largo São Sebastião – Centro

Restaurante comandado pela chef Débora Shornik, tem menu regional revisitado e opções vegetarianas. O salão, no primeiro andar, tem vista para a praça do teatro.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
Hotel-boutique Juma Ópera

Hotel-boutique Juma Ópera – jumaopera.com.br
Rua 10 de Julho, 481

Formado por dois casarões tombados e restaurados e dois prédios construídos no mesmo estilo, tem vista para o Teatro Amazonas, em meio ao rico patrimônio cultural. O hotel conta com ambientes com pé-direito altíssimo, bar, restaurante, rooftop com piscina, academia e 41 suítes com ar-condicionado, acesso à internet sem fio, frigobar e TV, além de portas e janelas tratadas acusticamente. Sob a cúpula de ferro e vidro, o restaurante Ópera é cenário das criações da chef Sofia Bendelak, que combina pratos regionais e internacionais. O atendimento é personalizado e muito atencioso.

Fritz Bar – @fitzcarraldobistro @villaamazonia

Localizado dentro do hotel-boutique Villa Amazônia, o bistrô intimista tem ótimos
drinques e cozinha contemporânea com toque regional.

Banca do Largo – bancadolargo.com
Rua José Clemente, 573

Livraria especializada em livros sobre a Amazônia, raros, antigos e novos, garimpados por Joaquim Melo, formado em Historiografia da Amazônia.

Bar do Armando
Rua 10 de Julho, 593

Boteco ícone da cidade, tem música ao vivo e mesas na calçada com vista para o teatro. Petiscos, sanduíches e boas cervejas.

Skina dos Sucos – @skinadossucos
Av. 7 de Setembro esquina com Av. Eduardo Ribeiro – Centro

Ótima opção para um lanche rápido. A variedade de sucos é tanta que fica até difícil escolher. Prove o X-caboquinho e o Açaí.

Mercado Municipal Adolpho Lisboa
Rua dos Barés, 46 – Centro

A arquitetura em estilo Art Nouveau desperta a curiosidade de quem transita pela orla do rio Negro. Construído durante o rico período do ciclo da borracha, foi inspirado no Mercado Les Halled, em Paris, e inaugurado em 1883. Lugar ideal para provar a comida regional, conhecer as ervas medicinais e produtos típicos, além do rico artesanato indígena e souvenirs. Pavilhões de peixe, carne, verduras e frutas.

Especialidades

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
X-Caboquuinho

X- Caboquinho
Lanche típico servido no pão francês, recheado com lascas de tucumã (fruta), banana-pacová e queijo coalho derretido. Encontra-se em todos os cafés da cidade.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
Pirarucu e Tambaqui

Pirarucu e Tambaqui
Os dois são peixes grandes oriundos do rio Amazonas. O tambaqui é tão carnudo que as suas costelas, fritas ou assadas, são a parte mais saborosa.

Uma viagem profunda e silenciosa pela Amazônia, ao som da rica natureza da fauna e da flora
Caipirinha de Jambu

Caipirinha de Jambu
Cachaça de Jambu, folhas e flores de jambu, limão, açúcar e gelo.

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

A Vila Ipojuca e seus arredores

A vila vem passando por constantes transformações em seu entorno que resultam numa nova visão em relação à região, em bora ainda preserve o “jeito de bairro” que agrada tanto aos moradores quanto aos visitantes.

continuar lendo...
Giardini della Villa Comunale

Hotel San Domenico Palace

Visitei o lendário hotel San Domenico Palace, um convento do século 14, em Taormina, na Sicília, durante uma viagem que fiz com meus avós na minha infância, e já era um ícone na costa italiana.

continuar lendo...

Paternidade materna

Diante da correnteza de transformações que ocorreram do início do século 20 até os dias de hoje, homens e mulheres se percebem angustiados com as diferentes formas de relações, casamentos e famílias que já não são estruturas pré-moldadas.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.