PUBLICIDADE

Praça Gastão Vidigal

Conhecida como Praça do Ovo, é ponto de encontro e lazer de pessoas de todas as idades e interesses

fotos: divulgação
ilustração: Bruna Barros

Difícil achar quem more na região da Faria Lima e não frequente a Praça Gastão Vidigal. Localizado no coração do Jardim Paulistano, entre as ruas Desembargador Mamede e Laerte Assunção, e preservado pela associação de moradores da região dos Jardins América, Europa, Paulista e Paulistano, a Ame Jardins, o local, que é também conhecido como Praça do Ovo, atrai pessoas de todas as idades e interesses.

Bonita e arborizada, a praça tem espaço para prática de esportes, passear com o cão, ler um livro ou apenas bater papo, encontrar os vizinhos, reunir a família e se distrair. Possui ainda um playground, reservado apenas para crianças e pais ou acompanhantes. Nos fins de semanas, há ainda picolé e água fresquinha, garantidos pelo sorveteiro ao cair da tarde.

DICAS

Para que o seu passeio seja um sucesso, não se esqueça de usar filtro solar e repelente. Leve lanchinho e bebida se pretende ficar bastante tempo, já que não há nenhum comércio por perto, e vá ao toalete antes de sair de casa, pois não encontrará por ali. Se levar seu cão para passear, respeite os locais delimitados e não deixando que ele entre na área do playground.

SUA OPINIÃO

Se você quer apoiar o trabalho de preservação da praça, tirar dúvidas ou enviar sugestões, mande uma mensagem para grupopracagastaovidigal@gmail.com.

QUEM FOI GASTÃO VIDIGAL?

Advogado e político brasileiro. Nasceu em 15 de maio de 1889, formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), participou do quadro diretivo da Associação Comercial de SP, foi deputado federal e ministro do Estado da Fazenda do governo de Eurico Gaspar Dutra. Participou da diretoria de diversos bancos, contribuiu ativamente na gestão de inúmeras instituições e fundou o Banco Mercantil.

Praça Gastão Vidigal – Rua Desembargador

Mamede, 119 – Jardim Paulistano

Os jardins paulistanos rendem uma boa passarinhada

As pessoas muitas vezes se surpreendem com o fato de a cidade de São Paulo abrigar mais espécies de aves (465, de acordo com a enciclopédia WikiAves) do que países como Itália (390) e Portugal (435).

A explicação está na localização da capital paulista (bioma de Mata Atlântica, ou do que sobrou dela), na presença de parques e bairros arborizados e na maior conscientização quanto à necessidade de preservação das aves e do meio ambiente em geral, com moradores plantando árvores frutíferas e outras que atraem passarinhos – como amoreiras, flamboyanzinhos e pitangueiras – nas calçadas e em seus próprios jardins.

O movimento – muito positivo – só tem aumentado. Grupos de observadores de aves amadores, conhecidos como birdwatchers, crescem, assim como os eventos, a ponto de chamar a atenção até da grande imprensa, esta normalmente tão voltada aos temas essencialmente urbanos, para o assunto.

Eu mesma, que já fui “passarinhar” na Amazônia e no Pantanal, tive um pouco de preconceito com relação a observar aves na capital paulista.

Bobeira minha! Não é que em uma árvore na rua atrás da minha casa, no Jardim Paulistano, antes das 7h da manhã, a caminho da prática de ioga, escuto um “toc-toc” e deparo com um lindo pica-pau-de-cabeça-ama-rela (Celeus flavescens)? Naquele dia, atrasei dez minutos, para a prática, pois tive que voltar correndo e pegar a câmera para o importante registro.

Além do pica-pau, o bairro, próximo às movimentadas avenidas Rebouças e Faria Lima, abriga almas-de-gato (Piaya cayana), sabiás-laranjeiras (Turdus rufiventris), bem-te-vis (Pitangus sulphuratus), sanhaços-cinzentos, pombas-de-bando (Zenaida auriculata), corujas-orelhudas (Asio clamator), gaviões-carcará (Caracara plancus) e os barulhentos e animados periquitos-ricos (Brotogeris tirica), entre outras belezuras.

Como avistá-los? Aguçando a sensibilidade, os ouvidos e os olhos nas caminhadas por ruas arborizadas, praças e parques. Plantar uma árvore frutífera ou colocar frutas em um prato no quintal, ou mesmo janela, já garante avistar uns passarinhos sem sair de casa.

Comece o programa pela sua rua ou pela Praça Gastão Vidigal.

Horta mirim da praça Gastão Vidigal

Em prol da educação e do divertimento, o novo projeto já está chegando neste mês! A Horta Mirim terá o intuito de unir pais e filhos para cuidar da terra e dos alimentos. Para isso, serão instalados oito canteiros triangulares elevados. A ideia é ensinar as crianças a trabalhar em equipe e aprender o senso geográfico do espaço, relacionando com trajetórias do sol e estações do ano. O trabalho de implantações será efetuado em mutirões semanais que serão coordenados por uma dupla de oficineiros. Para realizar o projeto, sua contribuição é essencial. Dúvidas e sugestões de interessados em apoiar essa causa: basta mandar um e-mail para o endereço grupopracagastaovidigal@gmail.com ou entrar em contato pelo telefone (11) 99633-5590, tratar com Manuela.

jornal aQuadra - vida de bairro - Jardins

PICA-PAU DE CABEÇA AMARELA

O seu “toc-toc” pode ser escutado nas árvores mais frondosas do bairro

jornal aQuadra - vida de bairro - Jardins

SABIÁ LARANJEIRA

Ave-ícone e madrugadora de São Paulo, o sabiá-laranjeira é figurinha fácil nas ruas dos Jardins

jornal aQuadra - vida de bairro - Jardins

BEM-TE-VI

Outra ave bem popular nos jardins da capital, foi batizada pelo canto: “Bem-te-vi!”

jornal aQuadra - vida de bairro - Jardins

SANHAÇO CINZENTO

Outra gracinha que adora degustar as frutas das amoreiras e pitangueiras das nossas ruas

jornal aQuadra - vida de bairro - Jardins

PERIQUITO RICO

Barulhento e animado, este periquito é comumente chamado de “maritaca”

PUBLICIDADE

Últimas Notícias

“Bom-dia, vizinho”

E achei genial ser impresso, porque dá para pegar e exibir que você está lendo aQuadra na praça. Essa visibilidade pública cria identificação, aproxima as pessoas e, mesmo que você não vá puxar conversa

Editorial aQuadra ed #20

Iniciamos 2021 otimistas!

Será um ano de recomeços, com muita esperança no que está por vir. Não devemos esquecer aquele que passou, pois ele foi muito importante para nós.

Voz aos que são chamados de outros

PUBLICIDADE “O preconceito acaba quando a compreensão começa.” É com esse lema que a ONG Estou Refugiado trabalha para que pessoas que se encontram na