PUBLICIDADE

Polarização: a vida como ela

O que vai acontecer com o nosso bairro, o Jardim Paulistano, com a “gentrificação” da Avenida Rebouças e da Rua Pinheiros? Dou minha opinião no final deste texto, mas antes queria falar sobre o processo que estamos vivendo como sociedade. Até porque isso interessa a todos os leitores de aQuadra e não só aos do Jardim Paulistano.

texto Ricardo Guimarães | foto Jade Gadotti

Se você assistiu à posse do presidente Biden em janeiro, deve ter prestado atenção à fala da poetisa Amanda Gorma sobre o momento/processo que a sociedade americana – assim como a brasileira – está vivendo: “Não somos uma nação dividida, somos uma nação em construção”.

Lindíssimo! Preciso! E extremamente útil para passar por essa fase de polarização sem matar ninguém.

A gente sabe, a vida não é foto, é filme. E escolher ver a vida como um filme nos permite acreditar que a evolução pode nos surpreender com uma realidade mais animadora nos próximos capítulos. Depois da polarização, a negociação.

Você vai dizer que sou otimista ingênuo? Então, deixe-me explicar por que concordo com a Amanda G. Por que a polarização é uma fase e não um jeito de ser?

RICARDO GUIMARÃES - Crônica - Jornal aQuadra

Ricardo Guimarães: empresário de comunicação e consultor em branding para grandes marcas, é sócio e presidente da Thymus

@r.c.guima

É uma fase, assim como a juventude é uma fase entre a infância e a maturidade.

A linguagem da juventude é a polarização, e a solução da polarização é a exclusão do outro, tout court. E, claro, com a certeza de que a exclusão é a decisão mais justa, a mais correta e a melhor para todos. O jovem é belicoso assim porque está aprendendo quem é, e tudo que é “diferente” dele é ameaça a sua busca de identidade, ainda frágil. Sua visão de mundo é simples e sua maneira de lidar com o mundo também é simples: ou isso ou aquilo! Não tem terceira opção. Seu grito de guerra é simples e cheio de heroísmo: “Independência ou Morte!”.

Para deixar de ser simples e belicoso e poder assumir as responsabilidades de trabalhar numa empresa e ter uma família, o jovem ou a jovem deve entender que na realidade o grito é “Interdependência ou Morte!”.

A passagem da independência para a interdependência não é fácil porque normalmente o jovem confunde interdependência com dependência, que era exatamente a condição da infância da qual ele queria tanto se libertar. Para ele, é difícil entender que interdependência é dependência mútua e que, com essa consciência, independência evolui para autonomia.

É assim que entramos na maturidade, fase em que aprendemos que o mundo não é simples e que o “e” é uma ferramenta tão importante quanto o “ou” para entender a vida e administrá-la. Isto é, que as coisas podem ser e não ser ao mesmo tempo, que todos podem ter um pouco de razão e que o caminho da paz é a negociação.

Para se ter boas negociações, é preciso, primeiro, tirar as pessoas tipo jovem da sala – ops, olha a exclusão… –, corrigindo, é preciso tirar o modelo binário “ou ou” da conversa e instalar o modelo mental “ou + e”. Segundo, é preciso que as partes interessadas tenham clareza sobre suas identidades, interesses, necessidades e opiniões para facilitar a troca de ideias.

No caso do Jardim Paulistano, na minha opinião, devemos limitar a velocidade de qualquer veículo a 20 quilômetros por hora dentro do bairro, nas ruas estreitas sem calçada permitir a circulação apenas de veículos autorizados, nas ruas com calçadas definir duas mãos e estacionamento dos dois lados e, no bairro todo, nos fins de semana e feriados, permitir circulação apenas de veículos que tenham o próprio bairro como destino.

Sei que temos várias frentes conversando sobre o assunto. Estou junto. Somos uma sociedade em construção. Vamos negociar.

compartilhe

Share on facebook
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on twitter
PUBLICIDADE

Você pode gostar

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.