PUBLICIDADE

Obra do destino

O arquiteto Brunno Meirelles teve a felicidade de reformar uma casa de Jorge Zalszupin, um dos ícones do modernismo brasileiro. E também de morar nela.

por Vinícios Vitoriano, fotos Fran Parente

Obra do Destino - Arquitetura - Brunno Meirelles

Como você encontrou a casa?
Essa casa era dos avós da minha esposa Naia. Em um dos vários natais que passei nela, João (avô materno da Naia, já falecido), cliente do Jorge Zalszupin, me disse: “Venha ver a planta original desta casa, acho que você vai gostar!”. Quando ele me entregou uma velha pasta cheia de desenhos antigos e eu pude ver a assinatura do Zalszupin na planta, foi como se um tesouro tivesse caído nas minhas mãos. Mesmo sem nunca ter imaginado que um dia eu pudesse morar ali, ficava imaginando quais seriam as alterações que eu faria se a casa fosse minha! Eis que o destino me deu essa oportunidade.

Qual era o estado da casa e qual foi o conceito adotado para o projeto?
Ela se encontrava no mesmo estado de construção original, porém a construção não respeitou 100% do projeto original do Zalszupin. Ao reformá-la, minha ideia era reproduzir o projeto original e trazer o uso de materiaise revestimentos de época para não descaracterizar o estilo da residência. O conceito foi tentar manter a originalidade da casa sem agredir com algum estilo minimalista, contemporâneo ou qualquer outro que interferisse no resultado já existente.

Obra do Destino - Arquitetura - Brunno Meirelles

Como a história do Zalszupin impactou o conceito do projeto?
Impactou em todos os aspectos, uma vez que manter a originalidade do projeto foi a maior preocupação. Entender as soluções iniciais nas plantas originais e trazer isso de volta à casa foi meu maior prazer.

Quais foram os materiais utilizados?
Alteramos o piso de ardósia escura da sala de jantar para um granilite mais claro no intuito de trazer mais claridade para os ambientes internos. O granilite com seixos de rio (seixos que já existiam originalmente) veio da busca na utilização de um material usado nos anos 60 (época de construção da casa).

Para manter a originalidade da casa, o arquiteto buscou materiais usados nos anos 60, quando ela foi construída, como o granilite com seixos de rio na sala de jantar.

“Entender as soluções nas plantas originais do Zalszupin e trazer isso de volta à casa foi meu maior prazer.” Brunno Meirelles

Brunno Meirelles

compartilhe

Share on facebook
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on twitter
PUBLICIDADE

Você pode gostar

Homens na cozinha

Logo de cara, o chef Felipe Rodrigues faz questão de esclarecer o apelido que recebeu na época em que estudava em Porto Alegre: Santo. “Não é que eu sou santinho não, é porque nasci em Santo Ângelo, interior do Rio Grande do Sul”, diz.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.