PUBLICIDADE

Especial mães

Conheçam as histórias de conexões entre gerações que influenciam criações de sucesso, valorizam a família e promovem a realização de filhos, mães e avós na moda e nas artes.

Fotos: Fernando Louza; Chico Cerchiaro

De volta às origens

Especial dia das mães Jornal aQuadra
Catharina e sua mãe, Maria Cecilia de São Thiago, enaltecem o Dia das Mães

Embora a arte estivesse muito presente em sua vida, Maria Cecilia de São Thiago só se dedicou ao design e à fotografia depois de criar as filhas. “Quando as meninas foram estudar fora, passei a me dedicar ao que sempre gostei. Foi uma realização”, conta. A artista, que acredita que fotografar e manipular imagens é pensar na profundidade das relações humanas, deu de presente às filhas uma certa intimidade com a arte.

Formada em Moda e Ciências Sociais, Catharina passou uma temporada trabalhando em Paris e, de volta ao Brasil na pandemia, teve o insight de homenagear a avó Leonie, que era francesa, com uma coleção de joias composta de anéis de brasão: “Tenho uma questão nostálgica de trazer uma elegância do passado para hoje, junto com a valorização da família, das nossas origens”, diz a filha. “Eu e Catharina trocamos experiências o tempo todo. Agora ela está desenvolvendo uma coleção de joias – coisa que eu fiz há muito tempo – e me realizo através do trabalho dela”, conta a mãe coruja. “Nossos gostos são bem diferentes, mas ela gosta do resultado e isso já vale bastante”, revela Catharina.

@mamie.leonie

Olhares de três gerações

Especial dia das mães Jornal aQuadra
Yasmine, entre a mãe Naná e a avó Glória, unidas pelo mesmo ideal

Glorinha Paranaguá, a sofisticada marca de acessórios em bambu, madeira e palha, nasceu em 1991, no Rio de Janeiro, retomando o antigo sonho de trabalhar com moda da carioca Glória, casada com o diplomata Paulo Paranaguá – com quem morou em diversos países, incluindo França, Áustria, Espanha e Suécia, até que ele se aposentasse e voltassem ao Brasil. “Não sei sair sem bolsa, porque ela fazia a versão mirim de todos os modelos para mim”, conta a neta, Yasmine Paranaguá de Orleans e Bragança, que cresceu em meio às criações da avó.

Em 2018, quando voltou ao Brasil depois de morar 7 anos no exterior, casada e com dois filhos, Yasmine propôs à avó ficar à frente da marca, onde sua mãe, Naná Paranaguá, nora de Glorinha, já estava atuando. “Minha avó ficou muito feliz, sempre me dava toques para ficar atenta a alguma coisa. Durante um ano, ficamos juntas, as três, até minha avó falecer em 2019”, conta Yasmine.

Com essa fusão de olhares, a marca rejuvenesceu sem abandonar o passado nem os materiais que lhe deram fama, ganhou força no on-line, uma loja em São Paulo e planos de expandir sua presença em mercados internacionais. “Estou muito feliz em dar prosseguimento, junto com minha mãe, à marca que minha avó criou quando tinha mais de 60 anos”, diz Yasmine.

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Pedro Silva, uma olhadela

Nessa semana em particular, o trabalho do artista Pedro Silva, brasileiro radicado em New York, que também brilhou na edição 21. Pedro mistura a estética gráfica e plástica, com um traço marcante, enérgico e de poucos detalhes.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.