PUBLICIDADE

Wabi-sabi na arquitetura

O desgaste em virtude do tempo pode ser percebido como belo e sublime. Há beleza na imperfeição

compartilhe

Felipe SS Rodrigues - Jornal aQuadra

Wabi-sabi é uma abordagem estética centrada na aceitação da transitoriedade e imperfeição da matéria. Na arquitetura, representa uma certa austeridade original em que a pátina do tempo é bem-vinda. Não se trata de envelhecer prematuramente a pintura terrosa da parede ou mesmo aplicar a pátina a vasos recém-saídos do forno ou mesmo surrar tapetes novos para que pareçam velhos.

O wabi-sabi, se compreendido na sua essência, é muito mais do que uma tendência de decoração, é uma filosofia de vida a longo prazo, e que se manifesta também no espaço. O projeto da Alecrim House, do arquiteto Alan Chu, é o essencial à brasileira e promete ficar cada vez melhor com o tempo.

Alan chu
Arquiteto e urbanista formado pela FAU-Mackenzie em 2001, trabalhou no escritório de Isay Weinfeld entre 2010 e 2022, atuando como chefe da equipe de criação nos últimos anos. Em 2022 fundou o Alan Chu Arquitetura, em Brasília, próximo de sua outra criação – a Casa da Mangueira, em Alto Paraíso, na Chapada dos Veadeiros, Goiás.  @alan_chu

Alan Chu - Jornal a Quadra
Felipe SS Rodrigues - Jornal aQuadra

Por Felipe SS Rodrigues
Arquiteto e mestre em arquitetura pelo Mackenzie, com passagem pelos escritórios de Isay Weinfeld e Rem Koolhaas, na Holanda, atualmente desenvolve projetos
autorais independentes. Nesse tour pelo Japão em São Paulo, garimpou pérolas. 

@felipessr
www.felipessrodrigues.com

Na sala, poltronas Mapá, do Estúdio Orth (loja Acervo), e mesa de jantar Caetano do Aristeu Pires (Arquivo Brasília). Acima, sofá Baixo, de Guilherme Wentz (loja Hill House), mesa de centro feita por Chu com madeira de árvores do terreno, e pendente de Pati Herzog.

Saiba mais

A abordagem Wabi-sabi na arquitetura tem suas raízes na cultura japonesa e valoriza a simplicidade, a imperfeição e a rusticidade. É uma filosofia que se concentra na beleza das coisas modestas e nas imperfeições da natureza e do envelhecimento. Na arquitetura, essa abordagem enfatiza a utilização de materiais naturais e orgânicos, como madeira, pedra e argila, e o uso de técnicas artesanais e tradicionais.

Os edifícios projetados com a abordagem Wabi-sabi tendem a ser minimalistas e ter uma sensação de serenidade e tranquilidade. Eles são muitas vezes projetados para se fundirem com o ambiente natural, com os elementos naturais, como o vento e a luz do sol, sendo integrados ao design do edifício. Além disso, a abordagem Wabi-sabi valoriza a passagem do tempo e a incorporação das imperfeições ao design do edifício, como a utilização de materiais com marcas de envelhecimento e a manutenção de pequenas rachaduras ou fissuras no acabamento.

Em resumo, a abordagem Wabi-sabi na arquitetura busca criar espaços que sejam orgânicos, simples, imperfeitos e naturais. Essa abordagem enfatiza a beleza das coisas modestas, da simplicidade e da passagem do tempo. É uma filosofia que tem ganhado popularidade em todo o mundo, especialmente em um momento em que as pessoas estão cada vez mais interessadas em viver em harmonia com a natureza e em um ambiente mais tranquilo e sereno.

compartilhe

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Tiradentes e seu encantos - Jornal aQuadra

Tiradentes e seu encantos

Localizada na região central de Minas Gerais e fundada em 1702, foi importante centro de exploração de ouro até o final do século 18. Em meados dos anos 1980, a charmosa cidade foi tombada como centro histórico, com sua arquitetura colonial, ruas de pedras, mix de cores e, lógico, aquele sabor mineiro que só por lá se encontra.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.