PUBLICIDADE

A trajetória de Jéssica Sandin, Diretora de Recursos Humanos do Nubank

Inquieta, criativa e bem-sucedida, Jessica Sandin ajuda outros profissionais a traçar uma trajetória feliz, por meio de sua mentoria de carreira.

Jéssica Sandin, Diretora de Recursos Humanos do Nubank
Jéssica Sandin, Diretora de Recursos Humanos do Nubank

Quais são os objetivos profissionais dos jovens de hoje?

Sinto que hoje é bastante importante a reputação da empresa, o produto e os líderes com quem estamos nos associando ao ter um vínculo de trabalho, exatamente pelo sentido. O trabalho para o jovem de hoje, além de pagar as contas, idealmente precisa estar alinhado com os valores e crenças pessoais. Nessa mesma linha, a cultura e o modelo de colaboração dentro da empresa também são fatores decisivos para o jovem profissional.

Além de um bom currículo, o que mais é necessário para conseguir um bom emprego? 

Respondo a essa pergunta com outra pergunta: o que é um bom emprego para você? Tudo isso depende muito do que você considera e valoriza para sua vida e para sua carreira. Um bom currículo é aquele que está alinhado com o que você quer trabalhar e onde quer trabalhar. Para ter um emprego que seja bom para você, eu recomendo focar nesse alinhamento de perfil e em construir um bom histórico no mercado em que você atua, de maneira que seus resultados falem por você ou que possam comprovar seu potencial, que vai muito além de currículo, formação e títulos. Fazer as coisas muito bem e de uma maneira sustentável e original é o que diferencia você como indivíduo num mar de pessoas talentosas no mercado de trabalho.

Como ficam as carreiras no pós-pandemia? 

Estou louca para descobrir, inclusive a minha própria (risos). Sem dúvida, a flexibilidade de estar presencial, remoto e de horários está mudando em muitas indústrias. Acho que muita gente (conforme for possível na realidade de cada um, claro) vai se programar para dar uma pausa e recalcular a rota (profissional e pessoal). Viver tudo que a gente está vivendo e continuar trabalhando “normal” é uma carga mental, emocional e física para a qual ninguém estava preparado. As habilidades que têm se mostrado cada vez mais essenciais em tempos como o nosso e que a meu ver continuarão sendo mais e mais valorizadas e requeridas são autodisciplina, gestão da mudança e comunicação.

Quais são os objetivos profissionais dos jovens de hoje?

Sinto que hoje é bastante importante a reputação da empresa, o produto e os líderes com quem estamos nos associando ao ter um vínculo de trabalho, exatamente pelo sentido. O trabalho para o jovem de hoje, além de pagar as contas, idealmente precisa estar alinhado com os valores e crenças pessoais. Nessa mesma linha, a cultura e o modelo de colaboração dentro da empresa também são fatores decisivos para o jovem profissional.

Além de um bom currículo, o que mais é necessário para conseguir um bom emprego? 

Respondo a essa pergunta com outra pergunta: o que é um bom emprego para você? Tudo isso depende muito do que você considera e valoriza para sua vida e para sua carreira. Um bom currículo é aquele que está alinhado com o que você quer trabalhar e onde quer trabalhar. Para ter um emprego que seja bom para você, eu recomendo focar nesse alinhamento de perfil e em construir um bom histórico no mercado em que você atua, de maneira que seus resultados falem por você ou que possam comprovar seu potencial, que vai muito além de currículo, formação e títulos. Fazer as coisas muito bem e de uma maneira sustentável e original é o que diferencia você como indivíduo num mar de pessoas talentosas no mercado de trabalho.

Como ficam as carreiras no pós-pandemia? 

Estou louca para descobrir, inclusive a minha própria (risos). Sem dúvida, a flexibilidade de estar presencial, remoto e de horários está mudando em muitas indústrias. Acho que muita gente (conforme for possível na realidade de cada um, claro) vai se programar para dar uma pausa e recalcular a rota (profissional e pessoal). Viver tudo que a gente está vivendo e continuar trabalhando “normal” é uma carga mental, emocional e física para a qual ninguém estava preparado. As habilidades que têm se mostrado cada vez mais essenciais em tempos como o nosso e que a meu ver continuarão sendo mais e mais valorizadas e requeridas são autodisciplina, gestão da mudança e comunicação.

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Apenas o Essencial

O que aparenta ser simples e mínimo na realidade deve ser visto como um espaço sem ruídos e denso de pensamentos, um espaço equilibrado, sem nada a adicionar ou a subtrair, um espaço essencial. Ou essencialista, como gostamos de chamar.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.