PUBLICIDADE

A alma córsica

A grande ilha mediterrânea é uma autêntica "montanha no meio do mar". Há quem diga que a Córsica lembra a Itália.

por Helena Montanarini

A língua francesa com sonoridade italiana é chamada de “corso”, e lembra um dialeto italiano. Afinal, por 200 anos, do século 11 ao século 13, a Córsega foi colônia da República de Pisa. E essa mistura de raízes é exatamente o que dá tamanha personalidade à quarta maior ilha do Mediterrâneo.

Quando voltei de férias, 20 dias percorrendo a Córsica (ou Córsega, em português), perguntaram tanto sobre a viagem que resolvi escrever esta matéria. Não é um destino mundano, para quem gosta e aprecia a natureza é um lugar ideal, para se descobrir aos poucos, sem pressa e sem programação.

Estive lá pela primeira vez no início dos anos 80, navegando em um barco a vela por toda a ilha e parando nos principais portos, sempre com muita história para contar. É conhecida como o berço de Napoleão Bonaparte, pois nasceu em Ajaccio, a capital da Ilha que tem um aeroporto internacional e sedia importantes museus.

“A ilha tem o poder de invadir os sentidos. Uma mistura exótica de mar azul, altas montanhas e cidadelas medievais perfumadas pelo cheiro silvestre das flores corsas, os maquis. Impossível não se apaixonar!”

Mar e Montanha
O que cativa na Córsica são suas belas paisagens e seu jeito selvagem, mas ao mesmo tempo tão organizado e cuidado. Cadeias e picos montanhosos que chegam a alcançar 2.700 metros de altitude, lagos alpinos, florestas, cachoeiras, grutas e costões rochosos cercados por um mar que varia do azul-turquesa ao azul profundo, cheio de praias de areia fina.
No meio dessa exuberância toda, os vilarejos mudam de cara conforme se vai para a costa ou para o interior e mantêm um jeito tranquilo de viver. A arquitetura das cidades é preservada, não há prédios e os tons neutros das casas estão em sintonia com a natureza. À beira-mar não se pode construir, evidenciando ainda mais o lado selvagem da ilha.

A Córsica traz o canto dos pássaros, a ressaca do mar, o sopro do vento e o pôr do sol deslumbrante que, ao se pôr, deixa o céu iluminado pelas estrelas.

Para quem gosta de caminhar é o lugar ideal com trilhas variadas e caminhadas meditativas e, para quem gosta do mar, pescar de calamar à noite em plena lua cheia. Traz surpresas percorrendo as estradas tortuosas, pequenos produtores de frutas, legumes, mel, queijos de cabra, “charcuterie” e óleos essenciais.

Cidades que visitei e que contam a alma da Córsica: Ajaccio, Calvi, Borgo, Corti, Cabo Corso, Bonifácio, Bastia, Porto Vecchio. As fotos resumem o life style córsico e espero que inspire o seu destino no próximo verão!

DICA: A Sardenha fica a apenas 13 quilômetros da cidade de Bonifácio, no sul da ilha. Dá para chegar em menos de meia hora, de barco.

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Pura elegância

Com base nos cadernos de receitas e diários de jantares de Ema Klabin, Janka Babenco reuniu receitas que apresentam a culinária praticada em São Paulo dos anos 1950 ao final dos anos 1970.

continuar lendo...

Cidade das artes

Repleta de opções culturais, São Paulo é uma cidade importante para a arte. E, dado o que vem acontecendo na capital, a arte também é bem importante para a cidade.

continuar lendo...
Na Bahia com meu chapéu Nina Ricci

Muitas Helenas

Recorte dos anos 1970 até os anos 2000. Anos de viagens incessantes e períodos fora do país. Iniciei uma intensa correspondência com as diferenças estéticas e culturais da América do Sul, da Europa e América do Norte.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.