PUBLICIDADE

O líder que precisamos – João Paulo Pacífico, CEO do Grupo Gaia

João Paulo Pacífico, CEO do Grupo Gaia, tem cultivado caminhos promissores para um ambiente econômico mais equitativo e inclusivo.

por Felipe SS Rodrigues

João Paulo Pacífico, CEO do Grupo Gaia, O líder que precisamos - Jornal aQuadra
João Paulo Pacífico, CEO di Grupo Gaia

Grupo Gaia atua no mercado financeiro há 14 anos, e João Paulo ficou conhecido por ter inserido cooperativas agrícolas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na bolsa. Empresário e ativista, desde o ano passado está tocando a doação de sua empresa para uma ONG ligada a projetos de impacto social. João tornou-se o maior especialista em securitização do mercado brasileiro; o grupo já emitiu mais de R$ 20 bilhões em títulos. Seu último livro Seja líder como o mundo precisa: Impacte as pessoas, os negócios e o planeta (HarperCollins, 2022) mostra que é possível conciliar um ambiente de trabalho leve e agradável, felicidade, impacto social e ambiental positivo e ainda um bom retorno financeiro. É dele o projeto da Agrofloresta na seção Arquitetura desta edição.

Qual foi a principal motivação para a união – ao invés da comum anulação – de universos tão antagônicos, como são o mercado financeiro e o MST?

O mercado financeiro deveria ser um meio para fazer o dinheiro circular. Infelizmente, a ganância fez com que esse setor da economia fique centrado no desejo de acumulação ilimitada. Normalizou, por exemplo, o financiamento de indústrias poluentes (e lucrativas) e a ignorância a respeito da produção de comida. Além de ser um importante movimento social de inclusão social, o MST é um grande produtor de alimentos. Para mim, é muito mais óbvio financiar a produção de alimentos por pessoas vulneráveis do que levantar recursos para agrotóxico de latifundiários.

Se houvesse esforço coletivo, seria possível ter alimentação saudável e barata para todas as pessoas

Entre quadras de beach tennis, saunas e academias, é pouco comum que empresários bem-sucedidos tenham a ambição de uma agrofloresta particular. Qual foi o principal estímulo?
A conexão com a natureza, com a diversidade, com as nossas origens foi o grande motivador. Atualmente as crianças não fazem ideia de onde vêm as frutas e legumes; algumas acham que são produzidas no supermercado. A natureza nos ensina muito. A agrofloresta nos ensina sobre cooperação, pois uma árvore ajuda a outra, algumas estão lá só para ajudar e outras para darem frutos. Você entende como a diversidade é mais bonita e natural do que a
monocultura. E que se tivesse um esforço coletivo seria possível ter alimentação saudável e barata para todas as pessoas.

Orgânico, colhido da própria agrofloresta, consegue ser mais saboroso? Não só mais saboroso, mas mais prazeroso. Com mais propósito saber que o seu esforço foi convertido em comida natural, sem aditivos químicos. Amamos comer o que plantamos!

Tem-se tornado cada vez mais usual que empresas do mercado financeiro busquem investimentos de impacto, com desenvolvimento social e ambiental, o que é louvável. Mas até que ponto nós, ou mesmo as certificações, criamos métricas adequadas para um ambiente de fato consciente? A minha resposta vai por outra direção. O que eu percebo é que empresas do mercado financeiro estão mais interessadas em falar que fazem do que em investir em impacto. O objetivo de todas as grandes instituições continua sendo o lucro em primeiro lugar, e tentam usar o impacto/ESG como marketing. Na mesma linha, muitas operações ditas “verdes” e até com alguma certificação, não são tão sustentáveis assim.

Ao analisarmos sua trajetória é fascinante como concilia intenções e propósitos, administra as ambiguidades. Imaginamos que seja também mal compreendido, especialmente em um ambiente social e político de recente e histórica dicotomia. Como navega nesses ambientes? Sem dúvida, sou muito mal compreendido em grande parte dos ambientes ditos mainstream, o que é uma pena. As redes sociais conectaram muitas pessoas, deram voz a ideias, mas também trazem muita superficialidade e julgamentos baseados em poucas informações, muitas vezes inverídicas. Junto com o ativismo vem um “custo social” que eu estou disposto a correr, pois posso dormir sabendo que estou agindo com coerência. Por outro lado, o papo é maravilhoso com as pessoas que estão abertas a ouvir e evoluir.

compartilhe

“O maior legado da Lina foi o modo de fazer uma arquitetura que tenha sentido, que crie ressonância no coração das pessoas, uma arquitetura que busca conforto, em todos os sentidos da palavra.”

compartilhe

PUBLICIDADE

Você pode gostar

Maritza Caneca - JornalaQuadra

Maritza Caneca – Perspectivas do olhar

Artista visual radicada em Miami, a carioca Maritza Caneca, autora da seção Q desta edição, começou a trabalhar com fotografia em produções cinematográficas nos anos 1980. Após 30 anos no set de filmagens, sentiu necessidade de se expressar sob seu próprio olhar.

continuar lendo...

Assine nossa newsletter!

Receba avisos sobre novos artigos e novas edições do jornal.